NOTÍCIAS

Perigosos, ácidos usados em ataques não são controlados; substâncias provocam queimadura química

Fonte: Thais Borges (thais.borges@redebahia.com.br)
Além dos ácidos, a violência também acontece com a soda cáustica, que é alcalina
Perigosos, ácidos usados em ataques não são controlados; substâncias provocam queimadura química
a Índia, onde os ataques são comuns, há um café gerenciado pelas sobreviventes dessa violência na cidade de Agra (Foto: Divulgação)
Compartilhe:  Facebook Twitter

Entre os ácidos usados em ataques contra mulheres, há três mais frequentes: o sulfúrico, o nítrico e o clorídrico (também conhecido como ácido muriático), de acordo com as entidades que apoiam sobreviventes dessa violência. Além desses, há o ácido fosfórico.

“O mais comum é o ácido muriático, que é para limpeza de piso pós-obra, é o mais comum aqui”, explica o coordenador do Centro de Tratamento de Queimados e do Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Geral do Estado (HGE), Marcos Barroso, referindo-se aos pacientes atendidos pelo setor. O ácido muriático é facilmente encontrado em casas de material de construção. Na internet, um litro é vendido por cerca de R$ 10. Em Salvador, encontramos por até R$ 5.

Em março, o vereador Igor Kannário apresentou um Projeto de Lei na Câmara Municipal para controlar a venda de ácidos a pessoas físicas na cidade. Votado nesta quarta-feira (24), o PL 156/2016 foi aprovado pela Casa. Segundo o texto da matéria, qualquer comprador deve apresentar um documento de identificação, além de um comprovante de residência. A justificativa do projeto, segundo o texto, é justamente o aumento do número de casos de violência doméstica com ataques com ácido.

Segundo o professor Hélio Pimentel, do Instituto de Química da Universidade Federal da Bahia (Ufba), especialista em segurança química e materiais perigosos, todos esses ácidos usados nos ataques são perigosos. São, inclusive, chamados de ‘ácidos fortes’ na Química, porque se dissociam completamente.

“Não é como o ácido acético, que, diluído, a gente bebe no vinagre. Esse agem com bastante corrosão se encontram material hidratado, como a pede como corpo humano. Ele vai reagir, estragar e danificar os tecidos humanos”. O ácido sulfúrico, inclusive, é capaz de penetrar até os ossos.

O professor critica a facilidade com a qual esses ácidos podem ser comprados. “Tem lugar que até criança pode comprar. Assim como remédios que tem restrição de identidade, produtos químicos perigosos não deveriam ser comercializados com essa tranquilidade. As pessoas estão usando para cometer crimes e ficam no anonimato, porque vão comprar e ninguém sabe quem comprou. Não sou contra comercializar, sou contra não identificar (o comprador)”.

O Exército Brasileiro fiscaliza a comercialização de produtos como os ácidos, mas nenhum dos quatro está na lista de produtos controlados atualmente. Até 2012, o ácido nítrico era o único que tinha controlado, mas somente nas etapas de produção. Segundo o Setor de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército, estão na lista das Forças Armadas somente produtos e substâncias que têm efeito psíquico, neurológico ou lacrimogênio, além daqueles que podem ser usados na fabricação de explosivos ou de armas químicas.

Com exceção do ácido nítrico, todos os outros ácidos estão na lista de fiscalização da Polícia Federal (PF), mas o acompanhamento é feito somente com as empresas que vendem os produtos. A assessoria da PF não deu mais detalhes sobre como é feita a fiscalização.

Base, não ácido

No dia 8 deste mês, a recicladora Vanessa Ferreira Santos, 28 anos foi vítima de um desses ataques enquanto trabalhava em um galpão de reciclagem no bairro de Valéria. Até esta quinta-feira (25), ela continuava internada no HGE, depois de ter boa parte do corpo atingido pela substância. No entanto, a instituição não pode confirmar qual foi o ácido que atingiu a recicladora – nem se foi mesmo um ácido.

O que acontece é que há outra substância química que, por vezes, é muito mais usada do que os ácidos, em ataques como o que Vanessa sofreu, segundo Marcos Barroso, do HGE. “A maioria das vezes dizem que é ácido, mas é soda cáustica, que substância alcalina. É base, não ácido – ou seja, pela Química, é um composto oposto ao outro – , mas dá uma queimadura profunda e grave. Mesmo com todo tratamento adequado fica a vida toda”, diz o médico. A grande preocupação dos especialistas é que a soda cáustica é ainda mais acessível: está disponível até em supermercados.

Embora as duas queimaduras sejam chamadas ‘queimaduras químicas’, elas têm mecanismos de ação diferente. Quando um ácido entra em contato com a pele, a necrose do tecido é por corrosão. Quando a queimadura é provocada por uma base, a necrose é por liquefação. Ou seja: é como se a pele se liquefizesse.

A lesão por ácido tende a ficar um pouco mais escurecida, mas, depois, a profundidade da lesão é a mesma. Assim, o tratamento das duas é similar. “O grande problema é que, como o aspecto final da lesão é semelhante, a gente não tem como saber se foi alcalino ou ácido. O paciente geralmente não sabe, mas, às vezes, quando ele contra a história, a gente descobre”. A aparência dos ácidos e da soda cáustica também é parecida, segundo ele.

Seja lá qual for a substância, a primeira medida a se tomar, em caso de queimadura química, é irrigar com abundância.  Além disso, o paciente deve ser levado imediatamente a um hospital.
Mais de 1,5 mil ataques são reportados por ano no mundo
Ataques com ácido como uma forma de violência contra a mulher são um problema comum em países como a Índia, Paquistão, Bangladesh e Camboja. Pelo menos 1,5 mil ataques são reportados no mundo todo por ano, de acordo com as entidades não-governamentais que apoiam as vítimas. No entanto, a estimativa dos especialistas é de que a realidade seja muito maior: só na Índia, são dois ou três ataques por semana.

De uma forma geral, são países onde há muita desigualdade de gênero. Isso reflete nas estatísticas: 80% das vítimas são mulheres. Em alguns países, cerca de 70% delas são menores de 18 anos. Segundo o relatório do Centro Global para Mulheres Avon, os ataques com ácido têm o objetivo de destruir a beleza dessas mulheres.

Os principais motivos para os agressores são quando as mulheres rejeitam propostas de casamento ou sexo. Em outros casos, eles atacam esposas e filhas de homens com os quais têm disputas por terras ou negócios. Para eles, desfigurar essas mulheres trará um dano à toda família.

A ONG Acid Survivors Trust International (Asti), que oferece apoio às vítimas, defende que é preciso de um movimento global para acabar com a violência por ácido. “O movimento deve insistir que qualquer injustiça que aconteça com toda mulher acontece com todos nós. Há uma função para todos: de artistas a médicos, jornalistas ao Judiciário, das grandes empresas aos cidadãos comuns – e às próprias sovreviventes”, defendem, em um manifesto, em inglês.



Fechar

TERMO DE USO

Tecle Mulher – Assessoria e Pesquisa no âmbito dos Direitos da Mulher

Pelo presente instrumento particular, de um lado, TECLE MULHER - ASSESSORIA E PESQUISA NO ÂMBITO DOS DIREITOS DA MULHER, doravante denominada TECLE MULHER, estabelecida na Avenida Alberto Braune, nº 24, sala 506, Centro, Nova Friburgo, RJ, e de outro, o PARCEIRO cadastrado no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, firmam TERMO DE USO conforme as cláusulas e condições:

TERMOS DE USO

- Trata-se de cadastro de advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que atuam no âmbito dos Direitos da Mulher, de forma autônoma em todo o Brasil, no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

§1° - As consultas realizadas pelos(as) USUÁRIOS(AS) junto ao site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, com o intuito de localizar advogados e/ou psicólogos de apoio, no território nacional, em seu banco de dados, são gratuitas.

§2° - A inclusão e manutenção de dados pessoais e profissionais de advogados, sociedades de advogados e/ou psicólogos parceiros será realizada através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição, a critério do TECLE MULHER. Os valores dessa contribuição estão definidos em ASSINATURA, dentro do preenchimento do cadastro.

- Compreende-se por USUÁRIO(A), todo(a) aquele(a) que acessar o site em busca de apoio psicológico, orientação jurídica e encaminhamento para:
  • a)    Serviços públicos de Segurança, Justiça e Saúde.
  • b)    Parceiros: psicólogos(as) e/ou advogados(as) ou sociedade de advogados autônomos.

- Compreende-se por PARCEIROS(AS), advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que veiculam seus dados pessoais e profissionais de acordo com o código de ética da classe de advogados e/ou de psicólogos, também respeitando o Provimento nº 94/2000 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e da RESOLUÇÃO CFP Nº 010/05 do Conselho Federal de Psicologia.

Parágrafo Único: O cadastro de PARCEIROS, conforme cláusula 1ª retro, não garante vínculo contratual de qualquer natureza com USUÁRIO(S), gerando tão somente expectativa de direito decorrente da inserção de seus dados pessoais e profissionais no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR na listagem de profissionais habilitados para consulta.

- Ao marcar a opção “Aceito e concordo com o TERMO DE USO deste site”, o PARCEIRO declara ter lido e aceito, sem reservas, todas as cláusulas e condições do presente.

Parágrafo Único: Fica, desde já, o PARCEIRO ciente de que, a qualquer momento, poderá vir a ser avaliado de acordo com o seu desempenho e atuação pelos USUÁRIOS que o tiverem contratado.

- A consulta à rede de PARCEIROS exibida em virtude da pesquisa realizada pelo USUÁRIO é resultado de inclusão de dados feita pelo PARCEIRO, portanto, reflete o aceite dos critérios estabelecidos pelo TECLE MULHER.

- É vedada a utilização do conteúdo do site, bem como a base de dados do mesmo por terceiros, PARA QUALQUER FIM DISTINTO DA LOCALIZAÇÃO DE ADVOGADOS E PISCÓLOGOS DE APOIO A REDE DE ATENDIMENTO À MULHER do SERVIÇO TECLE MULHER, sob a pena de violação de direitos autorais previstos nas Leis 9.609 e 9.610/98.

§1° - Inclui-se em atividade de fim diverso, a utilização dos dados cadastrados na base do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR para envio de malas diretas e e-mails com conteúdos diversos relacionados à pesquisa/solicitação de prestação de serviços jurídicos e/ou psicológicos.

§2° - Inclui-se no rol de violação de direitos autorais, ainda, a utilização dos dados contidos na base do site para composição de site concorrente, de banco de pesquisa de profissionais, os quais estarão sujeitos às penalidades legais.

- O site WWW.TECLEMULHER.COM.BR poderá conter “links” para demais sites operados por terceiros (exemplo: propagandas, promoções, cursos, eventos e etc.), de modo que a opção pelo acesso aos mencionados sites é de livre arbítrio dos USUÁRIOS e PARCEIROS, não tendo o TECLE MULHER nenhum controle sobre estes sites, não se responsabilizando, pois, pelo conteúdo dos mesmos.

- O TECLE MULHER atua como veiculador dos dados dos PARCEIROS que são advogados e sociedades de advogados e/ou psicólogos, não recebendo qualquer comissão por qualquer contratação que venha a ocorrer entre USUÁRIO e PARCEIRO.

- As negociações feitas diretamente entre as partes - USUÁRIO e PARCEIRO - não serão intervencionadas pelo TECLE MULHER. O WWW.TECLEMULHER.COM.BR não realiza conferência de nenhum dos dados inseridos pelos PARCEIROS a fim de constatar a sua veracidade, cabendo, tal conferência, única e exclusivamente ao USUÁRIO que desejar usufruir dos serviços de quaisquer dos prestadores de serviços cadastrados no banco de dados do TECLE MULHER.

10 - Ao TECLE MULHER não será imputada qualquer responsabilidade pelas consequências originadas em virtude de atos ou omissões praticados por seus USUÁRIOS/PARCEIROS.

Parágrafo Único: Ao concluir o processo de cadastro na base de dados do TECLE MULHER o PARCEIRO declara ter plena ciência de que passará a receber contatos por meio de suas formas de comunicação publicadas no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

11 - O PARCEIRO compromete-se a manter seus dados atualizados e, do mesmo modo, ao realizar o cadastro na base de dados do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, compromete-se a disponibilizar tão somente dados verídicos acerca de sua pessoa ou sociedade, incluindo-se, neste tópico, a necessidade de informar o seu nome VERÍDICO, seja ele relativo à pessoa física (advogado/psicólogo) ou pessoa jurídica (sociedade de advogados). Obriga-se, ainda, o PARCEIRO, no caso de se tratar de advogados ou sociedade de advogados e/ou psicólogos a informar o número de seu registro junto à Ordem dos Advogados de sua Região e/ou Conselho Regional de Psicologia.

§ 1º - É vedado ao PARCEIRO cadastrar-se mais de uma vez na base de dados do TECLE MULHER, sendo permitido cadastro múltiplo apenas quando for o caso de o PARCEIRO prestar serviços em diferentes cidades e, em virtude do número de cidades de atendimento mostrar-se necessária a criação de mais de um cadastro. Na hipótese de duplicidade de cadastro por engano/erro material do PARCEIRO, deverá este último entrar em contato imediato com o teclemulher@teclemulher.com.br a fim de informar acerca do ocorrido e requerer a exclusão do cadastro duplicado.

§ 2º - Caso não haja qualquer tipo de comunicação FORMAL por parte do PARCEIRO, acerca de duplicidade de cadastro por engano, fica resguardado ao TECLE MULHER o direito de excluir imediatamente de sua base de dados, todos os dados do PARCEIRO que infringir esta regra.

12 - Os cadastros efetuados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR serão realizados através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição por meio do serviço PagSeguro ao TECLE MULHER. Ressalte-se, no entanto, que antes de efetuar qualquer tipo de contribuição, compromete-se o PARCEIRO a responder um questionário a fim de demonstrar seu interesse da inserção dos seus dados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR e, consequentemente, escolher um plano de assinatura e concordar com a contribuição solicitada.

13 - A contribuição realizada pelo PARCEIRO terá validade de 03 (três), 06 (seis) ou 12 (doze) meses, de acordo com o plano por ele escolhido, sendo tal disponibilização realizada a partir da efetiva confirmação de pagamento da mesma, a qual será determinada de acordo com a opção de pagamento por meio do serviço PagSeguro.

14 - Os valores das contribuições estão disponíveis no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, na aba “Parceiros” sendo de R$ 29,90 (por três meses); 49,90 (por seis meses) e R$ 99,90 (por doze meses).

15 - Em caso da suspensão da contribuição, os dados do PARCEIRO não aparecerão mais no site do TECLE MULHER.

16 - Após realizada a seleção do plano (trimestral, semestral ou anual), bem como efetivamente concluída a contribuição, caso o PARCEIRO deseje proceder ao cancelamento, deverá entrar em contato com o TECLE MULHER através do e-mail teclemulher@teclemulher.com.br.

17 - Este Termo de Uso e a sua Aceitação, que lhe é parte integrante, constituem o entendimento total entre o TECLE MULHER e o PARCEIRO, sendo que a concordância através do clique no campo “Aceito e concordo com os termos de uso deste site” é considerada, para todos os fins de direito, como aceitação pelo PARCEIRO de todos os termos e condições do presente Termo de Uso, passando o mesmo a determinar as regras da relação entre as Partes. O PARCEIRO declara ter lido, estar ciente e de pleno acordo com todos os termos e condições deste Termo de Uso.

18 - Na hipótese de reclamação ou ação administrativa/judicial em face de qualquer um dos PARCEIROS, considera- se parte totalmente ilegítima para responder/figurar no polo passivo o TECLE MULHER devendo ser eximido de toda responsabilidade, o mesmo se aplicando a seus funcionários, agentes, representantes e procuradores.

19 - Fica eleito o foro do Rio de Janeiro para dirimir quaisquer dúvidas e pendências decorrentes deste Termo de Uso.

Por estarem justos e contratados,