NOTÍCIAS

Violência obstétrica e desumanização do parto no Brasil

Fonte: Flavia Guth http://www.metropoles.com/
De acordo com a pesquisa “Nascer no Brasil”, realizada em 2012 e coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), uma em cada quatro mulheres já sofreu violência obstétrica.
Violência obstétrica e desumanização do parto no Brasil
Violência obstétrica e desumanização do parto no Brasil
Compartilhe:  Facebook Twitter

“Enquanto meu marido não estava, eu estava absolutamente, completamente sozinha e vulnerável e elas se aproveitaram disso para me desrespeitar verbalmente, me desrespeitar fisicamente. Uma das enfermeiras puxou o meu cabelo, me puxou pela cabeça por trás e me forçou a deitar na maca”. Esse é o triste relato de Rafaela Ramos, professora de Brasília, uma das milhões de vítimas de violência obstétrica no Brasil.

Os dados são assustadores. De acordo com a pesquisa “Nascer no Brasil”, realizada em 2012 e coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), uma em cada quatro mulheres já sofreu violência obstétrica.
Como resultado de um tratamento desrespeitoso e degradante em um momento tão delicado, muitas mulheres chegam a ter reações semelhantes às de vítimas de estupro, passando a rejeitar o próprio corpo, temer relações sexuais, além do pavor de uma nova gestação ou ansiedade por outra na tentativa de substituir as péssimas memórias.

E é sobre essa triste realidade que trataremos no artigo de hoje.

Mas o que seria violência obstétrica?
A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a expressão como o conjunto de atos desrespeitosos, abusivos, de maus-tratos e de negligência contra a mulher e o bebê, antes, durante e depois do parto, que equivalem a uma violação dos direitos humanos fundamentais. Dito de outra forma, a violência obstétrica pode ser definida como o conjunto de ações perpetradas justamente pelos profissionais responsáveis por garantir o bem-estar da gestante e de seu filho.

Essa violência obstétrica pode se dar, fundamentalmente, de três maneiras: o desrespeito, o abuso e a negligência. Por desrespeito, é possível se entender aquelas práticas de xingamento, de ofensas verbais, tratamento jocoso e humilhante à parturiente. O abuso é aquela prática capaz de restringir o livre exercício de direitos fundamentais da gestante, de qualquer forma (exemplo disso é a realização de cesariana, em que o profissional da saúde induz a gestante em concordar com a realização da cirurgia, enganando-a de sua própria condição de saúde e/ou de seu filho). E, por fim, a negligência, em que os profissionais de saúde adotam a prática de atos que estão no limiar do erro médico como, por exemplo, procedimentos médicos proibidos.

Em 2014, a Organização Mundial da Saúde publicou “Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde”. Nesse documento, a OMS condena a violência obstétrica e afirma que várias dessas práticas eram efetivamente consideradas normais até o fim do século XX e, portanto, seriam toleradas socialmente. No entanto, o contexto social é outro e já não estamos mais no século XX. O empoderamento feminino e a mudança da mentalidade social sobre o tema – ainda que pequena e lenta – vem promovendo debates sobre o assunto.

Em abril de 2015, o Ministro Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, recebeu da Artemis, ONG que combate a violência contra a mulher, um documento que relata a violência obstétrica no Brasil. Ali está registrado o Projeto de Lei 7.633/14, elaborado pela ONG e assinado pelo deputado Jean Wyllys, que define os direitos da mulher durante a gestação e o parto, inclusive nos casos de aborto, bem como os direitos e deveres dos profissionais de saúde.

Ainda em 2015, o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicaram novas regras de empoderamento da mulher, contendo informações relevantes para reduzir o número de cesarianas nas redes privadas e estimular o parto normal. Uma das medidas é a obrigatoriedade dos convênios médicos fornecerem o cartão da gestação, em que será obrigatório o registro de todo o pré-natal, além de carta de informação à gestante com orientações para que a mulher consiga tomar as decisões sobre o tipo de parto. Há ainda a criação do “partograma”, documento deverá ser preenchido pelos obstetras com informações detalhadas sobre o trabalho de parto, indicando a necessidade ou não da cesariana.

Recente passo importante na garantia dos direitos da gestante e do bebê foi dado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), dia 20 de julho de 2016, que anunciou resolução que determina que o parto cesáreo só pode ser realizado a partir de 39 semanas de gestação. Antes, a entidade estabelecia em 37 semanas o período liberado para o procedimento. Para o coordenador da Câmara Técnica de Ginecologia e Obstetrícia, José Hiran Gallo, a medida reforça a decisão da mulher e o amparo jurídico para a proteção do feto. “O médico tem a obrigação de explicar quais procedimentos devem ser adotados para a paciente. O conselho quer resguardar a autonomia da mulher brasileira”, afirma.

É possível verificar, portanto, um movimento – ainda que tímido – das instituições. Nos termos das Portarias MS nº 569/2000 e 1.067/05, bem como da Resolução RDC nº 36/2008 da ANVISA, é direito da gestante e de seu recém nascido, entre outros:
» o acesso a atendimento digno e de qualidade no decorrer da gestação, parto e puerpério;
» o acompanhamento pré-natal adequado;
» o conhecimento e o acesso à maternidade em que será atendida no momento do parto;
» a assistência ao parto e ao puerpério e que essa seja realizada de forma humanizada e segura, bem como direito à assistência neonatal de forma humanizada e segura;
» a atendimento adequado e seguro;
» à presença de acompanhante durante o trabalho de parto e pós-parto imediato de acordo com a Lei nº 11.108/05.

Estamos aqui, uma vez mais, tratando de uma das formas de violação do princípio da dignidade da pessoa humana. E exatamente em razão dos alarmantes e cada vez mais cotidianos relatos de violência obstétrica foi que a Ilustríssima sra. Procuradora da República Luciana Loureiro Oliveira, em 13 de julho de 2016, em resposta às denúncias de prática desse tipo de crime no Hospital Regional de Samambaia, lançou impecável Recomendação à Coordenação e à Direção da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília, ao Diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília, ao Diretor do Hospital Regional de Samambaia e ao Coordenador da Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal, ao Secretário de Saúde do Distrito Federal, ao Diretor do Hospital Universitário de Brasília e ao Diretor do Hospital das Forças Armadas, aos órgãos de Coordenação e à Direção da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasilia.

O Ministério Público recomenda, a partir desse documento, que sejam adotadas providências necessárias para coibir a prática de violência obstétrica nas dependências dos hospitais e maternidades públicos do Distrito Federal, de modo a garantir atendimento humanizado às gestantes e parturientes atendidas, em conformidade com a legislação que trata da questão. Recomendou, ainda, aos órgãos de Coordenação e Direção da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasilia que, independentemente de previsão curricular, promovam aulas e discussões, no ambiente acadêmico, sobre humanização no atendimento a mulheres durante os períodos de gestação, pré-parto, parto, pós-parto e pós-abortamento, abordando a questão da violência obstétrica.

Um dos pontos que mais chamam a atenção de quem lê a Recomendação do Ministério Público Federal diz respeito à resposta do Poder Público às denúncias feitas contra os hospitais. Relata a il. Procuradora da República que tanto o Coordenador de Graduação da Faculdade de Medicina da UnB, quanto o Diretor do Hospital Regional de Samambaia e o corpo clínica de Obstetrícia do Hospital Regional de Samambaia, em resposta às denúncias feitas, limitaram-se a se preocupar em repudiar, de forma agressiva, vexatória e afrontosa o próprio denunciante, sem adotar uma única providência para a apuração das condutas denunciadas. Ou seja, os atos denunciados são preocupações de menor importância ao Poder Público, que voltou seus esforços para agredir o denunciante e não para estancar o grave problema da violência obstétrica que temos enfrentado do país.

Violência obstétrica é crime! Identificando a ocorrência da violência obstétrica, exija cópia dos prontuários da grávida e do bebê, anote os fatos para não esquecê-los e, após, busque auxílio de um advogado a fim de ter seus direitos respeitados. O hospital, o médico e até mesmo o plano de saúde podem ser responsabilizados.

A Defensoria Pública do Estado de São Paulo elaborou uma cartilha para que as mulheres possam se conscientizar e identificar se são ou se conhecem alguém que tenha sido vítima desse tipo de violência. Para ter acesso, clique aqui (http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/repositorio/41/Violencia%20Obstetrica.pdf)

A Agência Senado publicou vídeo que traz relatos fortes e debate a preocupação de vários segmentos sociais com a violência obstétrica. Se tiver interesse, clique aqui (http://www12.senado.leg.br/cidadania/edicoes/547/assista-ao-video-da-agencia-senado-sobre-violencia-obstetrica-no-brasil)

Como disse Rafaela Ramos, “o protagonista do parto não é o médico. O protagonista do parto é a mãe. A gente precisa ter o poder do conhecimento mesmo. A gente precisa saber do que está acontecendo porque o corpo é nosso”.

Fechar

TERMO DE USO

Tecle Mulher – Assessoria e Pesquisa no âmbito dos Direitos da Mulher

Pelo presente instrumento particular, de um lado, TECLE MULHER - ASSESSORIA E PESQUISA NO ÂMBITO DOS DIREITOS DA MULHER, doravante denominada TECLE MULHER, estabelecida na Avenida Alberto Braune, nº 24, sala 506, Centro, Nova Friburgo, RJ, e de outro, o PARCEIRO cadastrado no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, firmam TERMO DE USO conforme as cláusulas e condições:

TERMOS DE USO

- Trata-se de cadastro de advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que atuam no âmbito dos Direitos da Mulher, de forma autônoma em todo o Brasil, no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

§1° - As consultas realizadas pelos(as) USUÁRIOS(AS) junto ao site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, com o intuito de localizar advogados e/ou psicólogos de apoio, no território nacional, em seu banco de dados, são gratuitas.

§2° - A inclusão e manutenção de dados pessoais e profissionais de advogados, sociedades de advogados e/ou psicólogos parceiros será realizada através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição, a critério do TECLE MULHER. Os valores dessa contribuição estão definidos em ASSINATURA, dentro do preenchimento do cadastro.

- Compreende-se por USUÁRIO(A), todo(a) aquele(a) que acessar o site em busca de apoio psicológico, orientação jurídica e encaminhamento para:
  • a)    Serviços públicos de Segurança, Justiça e Saúde.
  • b)    Parceiros: psicólogos(as) e/ou advogados(as) ou sociedade de advogados autônomos.

- Compreende-se por PARCEIROS(AS), advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que veiculam seus dados pessoais e profissionais de acordo com o código de ética da classe de advogados e/ou de psicólogos, também respeitando o Provimento nº 94/2000 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e da RESOLUÇÃO CFP Nº 010/05 do Conselho Federal de Psicologia.

Parágrafo Único: O cadastro de PARCEIROS, conforme cláusula 1ª retro, não garante vínculo contratual de qualquer natureza com USUÁRIO(S), gerando tão somente expectativa de direito decorrente da inserção de seus dados pessoais e profissionais no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR na listagem de profissionais habilitados para consulta.

- Ao marcar a opção “Aceito e concordo com o TERMO DE USO deste site”, o PARCEIRO declara ter lido e aceito, sem reservas, todas as cláusulas e condições do presente.

Parágrafo Único: Fica, desde já, o PARCEIRO ciente de que, a qualquer momento, poderá vir a ser avaliado de acordo com o seu desempenho e atuação pelos USUÁRIOS que o tiverem contratado.

- A consulta à rede de PARCEIROS exibida em virtude da pesquisa realizada pelo USUÁRIO é resultado de inclusão de dados feita pelo PARCEIRO, portanto, reflete o aceite dos critérios estabelecidos pelo TECLE MULHER.

- É vedada a utilização do conteúdo do site, bem como a base de dados do mesmo por terceiros, PARA QUALQUER FIM DISTINTO DA LOCALIZAÇÃO DE ADVOGADOS E PISCÓLOGOS DE APOIO A REDE DE ATENDIMENTO À MULHER do SERVIÇO TECLE MULHER, sob a pena de violação de direitos autorais previstos nas Leis 9.609 e 9.610/98.

§1° - Inclui-se em atividade de fim diverso, a utilização dos dados cadastrados na base do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR para envio de malas diretas e e-mails com conteúdos diversos relacionados à pesquisa/solicitação de prestação de serviços jurídicos e/ou psicológicos.

§2° - Inclui-se no rol de violação de direitos autorais, ainda, a utilização dos dados contidos na base do site para composição de site concorrente, de banco de pesquisa de profissionais, os quais estarão sujeitos às penalidades legais.

- O site WWW.TECLEMULHER.COM.BR poderá conter “links” para demais sites operados por terceiros (exemplo: propagandas, promoções, cursos, eventos e etc.), de modo que a opção pelo acesso aos mencionados sites é de livre arbítrio dos USUÁRIOS e PARCEIROS, não tendo o TECLE MULHER nenhum controle sobre estes sites, não se responsabilizando, pois, pelo conteúdo dos mesmos.

- O TECLE MULHER atua como veiculador dos dados dos PARCEIROS que são advogados e sociedades de advogados e/ou psicólogos, não recebendo qualquer comissão por qualquer contratação que venha a ocorrer entre USUÁRIO e PARCEIRO.

- As negociações feitas diretamente entre as partes - USUÁRIO e PARCEIRO - não serão intervencionadas pelo TECLE MULHER. O WWW.TECLEMULHER.COM.BR não realiza conferência de nenhum dos dados inseridos pelos PARCEIROS a fim de constatar a sua veracidade, cabendo, tal conferência, única e exclusivamente ao USUÁRIO que desejar usufruir dos serviços de quaisquer dos prestadores de serviços cadastrados no banco de dados do TECLE MULHER.

10 - Ao TECLE MULHER não será imputada qualquer responsabilidade pelas consequências originadas em virtude de atos ou omissões praticados por seus USUÁRIOS/PARCEIROS.

Parágrafo Único: Ao concluir o processo de cadastro na base de dados do TECLE MULHER o PARCEIRO declara ter plena ciência de que passará a receber contatos por meio de suas formas de comunicação publicadas no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

11 - O PARCEIRO compromete-se a manter seus dados atualizados e, do mesmo modo, ao realizar o cadastro na base de dados do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, compromete-se a disponibilizar tão somente dados verídicos acerca de sua pessoa ou sociedade, incluindo-se, neste tópico, a necessidade de informar o seu nome VERÍDICO, seja ele relativo à pessoa física (advogado/psicólogo) ou pessoa jurídica (sociedade de advogados). Obriga-se, ainda, o PARCEIRO, no caso de se tratar de advogados ou sociedade de advogados e/ou psicólogos a informar o número de seu registro junto à Ordem dos Advogados de sua Região e/ou Conselho Regional de Psicologia.

§ 1º - É vedado ao PARCEIRO cadastrar-se mais de uma vez na base de dados do TECLE MULHER, sendo permitido cadastro múltiplo apenas quando for o caso de o PARCEIRO prestar serviços em diferentes cidades e, em virtude do número de cidades de atendimento mostrar-se necessária a criação de mais de um cadastro. Na hipótese de duplicidade de cadastro por engano/erro material do PARCEIRO, deverá este último entrar em contato imediato com o teclemulher@teclemulher.com.br a fim de informar acerca do ocorrido e requerer a exclusão do cadastro duplicado.

§ 2º - Caso não haja qualquer tipo de comunicação FORMAL por parte do PARCEIRO, acerca de duplicidade de cadastro por engano, fica resguardado ao TECLE MULHER o direito de excluir imediatamente de sua base de dados, todos os dados do PARCEIRO que infringir esta regra.

12 - Os cadastros efetuados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR serão realizados através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição por meio do serviço PagSeguro ao TECLE MULHER. Ressalte-se, no entanto, que antes de efetuar qualquer tipo de contribuição, compromete-se o PARCEIRO a responder um questionário a fim de demonstrar seu interesse da inserção dos seus dados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR e, consequentemente, escolher um plano de assinatura e concordar com a contribuição solicitada.

13 - A contribuição realizada pelo PARCEIRO terá validade de 03 (três), 06 (seis) ou 12 (doze) meses, de acordo com o plano por ele escolhido, sendo tal disponibilização realizada a partir da efetiva confirmação de pagamento da mesma, a qual será determinada de acordo com a opção de pagamento por meio do serviço PagSeguro.

14 - Os valores das contribuições estão disponíveis no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, na aba “Parceiros” sendo de R$ 29,90 (por três meses); 49,90 (por seis meses) e R$ 99,90 (por doze meses).

15 - Em caso da suspensão da contribuição, os dados do PARCEIRO não aparecerão mais no site do TECLE MULHER.

16 - Após realizada a seleção do plano (trimestral, semestral ou anual), bem como efetivamente concluída a contribuição, caso o PARCEIRO deseje proceder ao cancelamento, deverá entrar em contato com o TECLE MULHER através do e-mail teclemulher@teclemulher.com.br.

17 - Este Termo de Uso e a sua Aceitação, que lhe é parte integrante, constituem o entendimento total entre o TECLE MULHER e o PARCEIRO, sendo que a concordância através do clique no campo “Aceito e concordo com os termos de uso deste site” é considerada, para todos os fins de direito, como aceitação pelo PARCEIRO de todos os termos e condições do presente Termo de Uso, passando o mesmo a determinar as regras da relação entre as Partes. O PARCEIRO declara ter lido, estar ciente e de pleno acordo com todos os termos e condições deste Termo de Uso.

18 - Na hipótese de reclamação ou ação administrativa/judicial em face de qualquer um dos PARCEIROS, considera- se parte totalmente ilegítima para responder/figurar no polo passivo o TECLE MULHER devendo ser eximido de toda responsabilidade, o mesmo se aplicando a seus funcionários, agentes, representantes e procuradores.

19 - Fica eleito o foro do Rio de Janeiro para dirimir quaisquer dúvidas e pendências decorrentes deste Termo de Uso.

Por estarem justos e contratados,