NOTÍCIAS

‘Tráfico privilegiado’ não é mais crime hediondo. Por que isso é importante para as mulheres

Fonte: www.nexojornal - Beatriz Montesanti 27 Jun 2016 (atualizado 27/Jun 17h42)
Milhares de mulheres estão presas por uma participação pequena no tráfico de drogas
‘Tráfico privilegiado’ não é mais crime hediondo. Por que isso é importante para as mulheres
NO BRASIL, O CRIME QUE PREDOMINA ENTRE OS MOTIVOS PARA A PRISÃO É O TRÁFICO DE DROGAS
Compartilhe:  Facebook Twitter

Por oito votos a três, o Supremo Tribunal Federal decidiu no dia 23 de junho que tráfico privilegiado não pode ser considerado um crime hediondo.

É chamado de ‘tráfico privilegiado’ quando o réu é primário, apresenta bons antecedentes e não integra uma organização criminosa.

A natureza hedionda restringe benefícios, como as saídas da prisão em datas comemorativas, por exemplo.  Esses crimes também são inafiançáveis.

A decisão é importante porque pode alterar a realidade de milhares de pessoas presas por uma participação pequena na cadeia do tráfico, principalmente mulheres.  

A legislação nacional e a estratégia de guerra às drogas no Brasil são responsáveis pelo grande aumento de mulheres encarceradas no país.

Em dez anos, o número mais do que dobrou: de 18.790 mulheres presas em 2004, chegou a 38 mil em 2014, um aumento de 102% - sendo que 63% delas são presas por participação no tráfico. A recente decisão do STF pode modificar esse cenário.

Essa foi a terceira sessão do Supremo sobre o tema. Três dos ministros (Edson Fachin, Teori Zavascki e Rosa Weber) mudaram seus votos devido a argumentos apresentados por organizações que trabalham com direitos humanos, como a Conectas, o IBCCrim (Instituto Brasileiro de Ciências Criminais) e o ITTC (Instituto Terra, Trabalho e Cidadania).

“O que estava havendo anteriormente era uma distorção da lei, da lei de crimes hediondos, da lei de drogas e da Constituição Federal. O STF está agora corrigindo esta distorção.”
Rafael Custódio
Advogado e coordenador de Justiça da Conectas, ao Nexo

O problema da Lei de Drogas para as mulheres
A Lei 8.072 de 1990 equiparou o tráfico de drogas a um crime hediondo. Já a lei 11.343, de 2006, conhecida como “Lei de Drogas”, determinou que fica a cargo do juiz decidir se uma pessoa presa portando drogas é um usuário - que tem penas mais leves e não vai para a cadeia - ou um traficante.

Essa decisão é tomada com base no que diz a polícia e o Ministério Público, e pode facilitar o encarceramento de acusados sem que haja evidências claras de que estivessem efetivamente vendendo drogas.

“O problema é que o judiciário brasileiro é ainda muito conservador, especialmente neste tema de drogas, e grande parte do judiciário ainda interpretava esse pequeno tráfico como se fosse um crime hediondo, sendo que a lei não fala isso. É uma construção da jurisprudência.”
Rafael Custódio
Advogado e coordenador de Justiça da Conectas, ao Nexo

No Brasil, o tráfico de drogas é o crime de 27% do total de presos. Furto e roubo juntos somam 32% e homicídios são 14%. Entre as mulheres, a proporção de presas por tráfico é ainda maior: 63%, segundo dados divulgados pelo Depen (Departamento de Execução Penal).

Isso acontece porque mulheres ocupam postos mais vulneráveis dentro do mundo do crime, realizando tarefas marginais na cadeia de negócios das drogas, como guardar o produto em suas casas ou empacotar e transportar pequenas quantidades de drogas, por exemplo.

Muitas são atraídas para essas atividades porque, em paralelo ao tráfico, conseguem continuar a cumprir tarefas domésticas, como cuidar dos filhos ou da casa.

“É importante dizer quem são essas pessoas. Parece que haverá abertura dos portões das cadeias. Mas sabemos quem são. São usuários presos como traficantes, mulheres presas, que vão muitas vezes cometer um ato desse por questões de vulnerabilidade social e financeira, ou microtraficantes, ojovem que não tem emprego, não tem atividade comercial lícita e acaba fazendo papel pequeno no comércio de drogas.”
Cristiano Maronna
Vice-presidente do IBCCrim e secretário-executivo da Plataforma Brasileira de Política de Drogas, ao Nexo

O que muda em relação à pena
Pessoas condenadas por crimes hediondos são submetidas a penas sob condições de regime mais duros.  São considerados também crimes hediondos alguns tipos de homicídio, além de estupros e sequestros. Nessa qualificação, elas não têm direito a indulto em datas comemorativas ou a comutação de pena, isso é, a substituição por uma punição mais branda.

Com a mudança, as pessoa presas por tráfico privilegiado terão os mesmos direitos dos presos por crimes não hediondos. Podem pedir mais cedo, por exemplo, a progressão de pena (passar do regime fechado para o semiaberto). Também podem ter acesso mais cedo ao livramento condicional.

Pessoas julgadas antes da mudança da lei podem agora pedir a redução da pena de acordo com a nova contagem.  “Mas vale dizer também que infelizmente há pouquíssimos defensores públicos no Brasil, há um problema muito grande de assistência jurídica, não quer dizer que automaticamente os presos no Brasil vão conseguir pleitear esse tipo de coisa”, ressalta Custódio.

Para Cristiano Maronna, vice-presidente do IBCCrim, a decisão pode ainda ter um reflexo positivo para modificar a cultura judicial que estigmatiza o tráfico de drogas. “Também sinaliza uma possível tendência do STF em relação ao julgamento em andamento sobre a constitucionalidade do artigo que incrimina a posse de drogas para uso pessoal”, diz ele.

Fechar

TERMO DE USO

Tecle Mulher – Assessoria e Pesquisa no âmbito dos Direitos da Mulher

Pelo presente instrumento particular, de um lado, TECLE MULHER - ASSESSORIA E PESQUISA NO ÂMBITO DOS DIREITOS DA MULHER, doravante denominada TECLE MULHER, estabelecida na Avenida Alberto Braune, nº 24, sala 506, Centro, Nova Friburgo, RJ, e de outro, o PARCEIRO cadastrado no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, firmam TERMO DE USO conforme as cláusulas e condições:

TERMOS DE USO

- Trata-se de cadastro de advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que atuam no âmbito dos Direitos da Mulher, de forma autônoma em todo o Brasil, no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

§1° - As consultas realizadas pelos(as) USUÁRIOS(AS) junto ao site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, com o intuito de localizar advogados e/ou psicólogos de apoio, no território nacional, em seu banco de dados, são gratuitas.

§2° - A inclusão e manutenção de dados pessoais e profissionais de advogados, sociedades de advogados e/ou psicólogos parceiros será realizada através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição, a critério do TECLE MULHER. Os valores dessa contribuição estão definidos em ASSINATURA, dentro do preenchimento do cadastro.

- Compreende-se por USUÁRIO(A), todo(a) aquele(a) que acessar o site em busca de apoio psicológico, orientação jurídica e encaminhamento para:
  • a)    Serviços públicos de Segurança, Justiça e Saúde.
  • b)    Parceiros: psicólogos(as) e/ou advogados(as) ou sociedade de advogados autônomos.

- Compreende-se por PARCEIROS(AS), advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que veiculam seus dados pessoais e profissionais de acordo com o código de ética da classe de advogados e/ou de psicólogos, também respeitando o Provimento nº 94/2000 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e da RESOLUÇÃO CFP Nº 010/05 do Conselho Federal de Psicologia.

Parágrafo Único: O cadastro de PARCEIROS, conforme cláusula 1ª retro, não garante vínculo contratual de qualquer natureza com USUÁRIO(S), gerando tão somente expectativa de direito decorrente da inserção de seus dados pessoais e profissionais no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR na listagem de profissionais habilitados para consulta.

- Ao marcar a opção “Aceito e concordo com o TERMO DE USO deste site”, o PARCEIRO declara ter lido e aceito, sem reservas, todas as cláusulas e condições do presente.

Parágrafo Único: Fica, desde já, o PARCEIRO ciente de que, a qualquer momento, poderá vir a ser avaliado de acordo com o seu desempenho e atuação pelos USUÁRIOS que o tiverem contratado.

- A consulta à rede de PARCEIROS exibida em virtude da pesquisa realizada pelo USUÁRIO é resultado de inclusão de dados feita pelo PARCEIRO, portanto, reflete o aceite dos critérios estabelecidos pelo TECLE MULHER.

- É vedada a utilização do conteúdo do site, bem como a base de dados do mesmo por terceiros, PARA QUALQUER FIM DISTINTO DA LOCALIZAÇÃO DE ADVOGADOS E PISCÓLOGOS DE APOIO A REDE DE ATENDIMENTO À MULHER do SERVIÇO TECLE MULHER, sob a pena de violação de direitos autorais previstos nas Leis 9.609 e 9.610/98.

§1° - Inclui-se em atividade de fim diverso, a utilização dos dados cadastrados na base do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR para envio de malas diretas e e-mails com conteúdos diversos relacionados à pesquisa/solicitação de prestação de serviços jurídicos e/ou psicológicos.

§2° - Inclui-se no rol de violação de direitos autorais, ainda, a utilização dos dados contidos na base do site para composição de site concorrente, de banco de pesquisa de profissionais, os quais estarão sujeitos às penalidades legais.

- O site WWW.TECLEMULHER.COM.BR poderá conter “links” para demais sites operados por terceiros (exemplo: propagandas, promoções, cursos, eventos e etc.), de modo que a opção pelo acesso aos mencionados sites é de livre arbítrio dos USUÁRIOS e PARCEIROS, não tendo o TECLE MULHER nenhum controle sobre estes sites, não se responsabilizando, pois, pelo conteúdo dos mesmos.

- O TECLE MULHER atua como veiculador dos dados dos PARCEIROS que são advogados e sociedades de advogados e/ou psicólogos, não recebendo qualquer comissão por qualquer contratação que venha a ocorrer entre USUÁRIO e PARCEIRO.

- As negociações feitas diretamente entre as partes - USUÁRIO e PARCEIRO - não serão intervencionadas pelo TECLE MULHER. O WWW.TECLEMULHER.COM.BR não realiza conferência de nenhum dos dados inseridos pelos PARCEIROS a fim de constatar a sua veracidade, cabendo, tal conferência, única e exclusivamente ao USUÁRIO que desejar usufruir dos serviços de quaisquer dos prestadores de serviços cadastrados no banco de dados do TECLE MULHER.

10 - Ao TECLE MULHER não será imputada qualquer responsabilidade pelas consequências originadas em virtude de atos ou omissões praticados por seus USUÁRIOS/PARCEIROS.

Parágrafo Único: Ao concluir o processo de cadastro na base de dados do TECLE MULHER o PARCEIRO declara ter plena ciência de que passará a receber contatos por meio de suas formas de comunicação publicadas no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

11 - O PARCEIRO compromete-se a manter seus dados atualizados e, do mesmo modo, ao realizar o cadastro na base de dados do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, compromete-se a disponibilizar tão somente dados verídicos acerca de sua pessoa ou sociedade, incluindo-se, neste tópico, a necessidade de informar o seu nome VERÍDICO, seja ele relativo à pessoa física (advogado/psicólogo) ou pessoa jurídica (sociedade de advogados). Obriga-se, ainda, o PARCEIRO, no caso de se tratar de advogados ou sociedade de advogados e/ou psicólogos a informar o número de seu registro junto à Ordem dos Advogados de sua Região e/ou Conselho Regional de Psicologia.

§ 1º - É vedado ao PARCEIRO cadastrar-se mais de uma vez na base de dados do TECLE MULHER, sendo permitido cadastro múltiplo apenas quando for o caso de o PARCEIRO prestar serviços em diferentes cidades e, em virtude do número de cidades de atendimento mostrar-se necessária a criação de mais de um cadastro. Na hipótese de duplicidade de cadastro por engano/erro material do PARCEIRO, deverá este último entrar em contato imediato com o teclemulher@teclemulher.com.br a fim de informar acerca do ocorrido e requerer a exclusão do cadastro duplicado.

§ 2º - Caso não haja qualquer tipo de comunicação FORMAL por parte do PARCEIRO, acerca de duplicidade de cadastro por engano, fica resguardado ao TECLE MULHER o direito de excluir imediatamente de sua base de dados, todos os dados do PARCEIRO que infringir esta regra.

12 - Os cadastros efetuados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR serão realizados através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição por meio do serviço PagSeguro ao TECLE MULHER. Ressalte-se, no entanto, que antes de efetuar qualquer tipo de contribuição, compromete-se o PARCEIRO a responder um questionário a fim de demonstrar seu interesse da inserção dos seus dados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR e, consequentemente, escolher um plano de assinatura e concordar com a contribuição solicitada.

13 - A contribuição realizada pelo PARCEIRO terá validade de 03 (três), 06 (seis) ou 12 (doze) meses, de acordo com o plano por ele escolhido, sendo tal disponibilização realizada a partir da efetiva confirmação de pagamento da mesma, a qual será determinada de acordo com a opção de pagamento por meio do serviço PagSeguro.

14 - Os valores das contribuições estão disponíveis no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, na aba “Parceiros” sendo de R$ 29,90 (por três meses); 49,90 (por seis meses) e R$ 99,90 (por doze meses).

15 - Em caso da suspensão da contribuição, os dados do PARCEIRO não aparecerão mais no site do TECLE MULHER.

16 - Após realizada a seleção do plano (trimestral, semestral ou anual), bem como efetivamente concluída a contribuição, caso o PARCEIRO deseje proceder ao cancelamento, deverá entrar em contato com o TECLE MULHER através do e-mail teclemulher@teclemulher.com.br.

17 - Este Termo de Uso e a sua Aceitação, que lhe é parte integrante, constituem o entendimento total entre o TECLE MULHER e o PARCEIRO, sendo que a concordância através do clique no campo “Aceito e concordo com os termos de uso deste site” é considerada, para todos os fins de direito, como aceitação pelo PARCEIRO de todos os termos e condições do presente Termo de Uso, passando o mesmo a determinar as regras da relação entre as Partes. O PARCEIRO declara ter lido, estar ciente e de pleno acordo com todos os termos e condições deste Termo de Uso.

18 - Na hipótese de reclamação ou ação administrativa/judicial em face de qualquer um dos PARCEIROS, considera- se parte totalmente ilegítima para responder/figurar no polo passivo o TECLE MULHER devendo ser eximido de toda responsabilidade, o mesmo se aplicando a seus funcionários, agentes, representantes e procuradores.

19 - Fica eleito o foro do Rio de Janeiro para dirimir quaisquer dúvidas e pendências decorrentes deste Termo de Uso.

Por estarem justos e contratados,