NOTÍCIAS

Assassinos de mulheres condenados a ressarcir INSS alegam pobreza

Fonte: Tribuna da Bahia
Único patrimônio do réu no primeiro processo que chegou à fase de cobrança é moto que cobre 25% da dívida; governo federal nega objetivo arrecadatório da política de cobrança
Assassinos de mulheres condenados a ressarcir INSS alegam pobreza
Violência contra mulher: primeiros condenados a ressarcir INSS alegam pobreza à Justiça
Compartilhe:  Facebook Twitter

Os primeiros agressores de mulheres condenados a ressarcir o INSS pelas pensões por morte pagas aos herdeiros das vítimas alegam pobreza. Para alguns advogados, os réus nunca pagarão as dívidas, que somam dezenas de milhares de reais.
Preso por assassinar a ex-namorada em 2012, o motorista Marcelo Sidnei Pires, do Rio Grande do Sul, foi o primeiro a ser alvo de uma condenação definitiva e que chegou à fase de cobrança – execução, no jargão jurídico. A Advocacia Geral da União (AGU), que representa o governo federal na Justiça, pediu R$ 22 mil, referentes à pensão por morte paga ao filho da vítima. O único patrimônio do condenado, entretanto, é uma moto cujo valor de mercado é de aproximadamente um quarto dessa quantia.
"Ele não tem condições financeiras. É uma execução inútil. Os pais dele vivem em casas simples, que começaram como invasão. Nem têm título de posse", afirma a advogada Dileta Luiz Kisner, que representa Pires na Justiça criminal. "Ele continua me devendo [os honorários advocatícios]."
Para a advogada, o único efeito da decisão será impor mais restrições a Pires quando ele puder sair da prisão. "Ele nunca vai pagar. E, dependendo do trabalho que ele for buscar, não pode ter dívida [pendente no nome]", afirma a advogada.
"O único bem que ele tinha ele matou"
A ação contra Pires faz parte de uma política que tem sido implementada  progressivamente pela AGU, consistente em buscar ressarcimento aos cofres do INSS de gastos com benefícios decorrentes de ilícitos. A ideia é que os criminosos devem arcar com os custos impostos aos cofres da Previdência assim como acontece com os patrões responsáveis por acidentes de trabalho de seus empregados.
O governo aguarda essa tese ser sancionada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), num processo em que conta com dois votos favoráveis e um contrário, para mover uma enxurrada de ações contra agressores de mulheres e motoristas que causaram acidentes de trânsito ao dirigir de forma ilegal - embrigado ou acima da velocidade, por exemplo.
Atualmente, há 13 ações contra agressores. Além de Pires, o único condenado definitivamente é Alciomar de Oliveria Sagás, de Santa Catarina, que matou a tiros a mulher na saída de uma delegacia – ela havia ido até o local prestar queixa contra o marido.
Em 2013, o INSS entrou com uma ação para cobrar o equivalente a R$ 90,3 mil de Sagás. A reportagem não conseguiu falar com os representantes do acusado, que é um pescador e, em outro processo, precisou de apoio judiciário gratuito, só concedido a quem se declara pobre e incapaz de bancar um advogado.
Outros quatro homens foram condenados a ressarcir o INSS, mas ainda podem recorrer. Em três dos casos, os réus também dependem de apoio judiciário gratuito para se defenderem das cobranças do INSS, que somam milhares de reais.
De um deles, que em 2012 matou a mulher por esganamento dentro do barraco que compartilhavam em Riacho Fundo (DF), o instituto espera receber R$ 157 mil. De outro, condenado por assassinar a companheira a facadas em Caruaru (PE), a expectativa é obter R$ 34,6 mil. De um terceiro, um aposentado que esfaqueou a ex-mulher no momento em que ela ia a pé para o trabalho em uma fábrica de calçados em Lajeado (RS), R$ 34,2 mil.
O quarto condenado é Douglas da Silva, preso há três anos por asfixiar e degolar a mulher em Itajaí (SC). O INSS espera que o réu, um garçom, pague R$ 98.169,94.
"Só em outra encarnação [ele conseguirá pagar]", afirma Vilson Campos, advogado que defendeu o garçom no processo criminal – a madrasta teve de bancar os serviços. "O único bem que ele tinha era a mulher que ele matou."
Não é feita avaliação da renda, diz AGU
Chefe da Divisão de Gerenciamento de Ações Regressivas e Execução Fiscal Trabalhista da Procuradoria-Geral Federal, Nícolas Calheiros afirma que a AGU não analisas as características dos agressores para decidir se entra ou não com ação de ressarcimento.
"Isso [o fato de os condenados serem declaradamente pobres] passaria por uma abordagem sociológica ou de política criminal e a AGU não participa disso", afirma. "Presentes os pressupostos [necessários para cobrar o ressarcimento], a gente tem de entrar. Não existe uma previsão legal que nos permita selecionar o réu pela condição financeira."
Calheiros relata que os casos chegam até à procuradoria pela Polícia Civil, pelo Ministério Público, pela imprensa e por uma organização não-governamental que combate a violência contra a mulher.
"Nós temos fontes das quais recebemos a informação de que foi concedido um benefício por tal crime e nós vamos atrás e perseguimos [o ressarcimento]", afirma. "A gente não seleciona. Se tívessemos selecionado, os réus teriam condições econômicas."

Fechar

TERMO DE USO

Tecle Mulher – Assessoria e Pesquisa no âmbito dos Direitos da Mulher

Pelo presente instrumento particular, de um lado, TECLE MULHER - ASSESSORIA E PESQUISA NO ÂMBITO DOS DIREITOS DA MULHER, doravante denominada TECLE MULHER, estabelecida na Avenida Alberto Braune, nº 24, sala 506, Centro, Nova Friburgo, RJ, e de outro, o PARCEIRO cadastrado no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, firmam TERMO DE USO conforme as cláusulas e condições:

TERMOS DE USO

- Trata-se de cadastro de advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que atuam no âmbito dos Direitos da Mulher, de forma autônoma em todo o Brasil, no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

§1° - As consultas realizadas pelos(as) USUÁRIOS(AS) junto ao site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, com o intuito de localizar advogados e/ou psicólogos de apoio, no território nacional, em seu banco de dados, são gratuitas.

§2° - A inclusão e manutenção de dados pessoais e profissionais de advogados, sociedades de advogados e/ou psicólogos parceiros será realizada através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição, a critério do TECLE MULHER. Os valores dessa contribuição estão definidos em ASSINATURA, dentro do preenchimento do cadastro.

- Compreende-se por USUÁRIO(A), todo(a) aquele(a) que acessar o site em busca de apoio psicológico, orientação jurídica e encaminhamento para:
  • a)    Serviços públicos de Segurança, Justiça e Saúde.
  • b)    Parceiros: psicólogos(as) e/ou advogados(as) ou sociedade de advogados autônomos.

- Compreende-se por PARCEIROS(AS), advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que veiculam seus dados pessoais e profissionais de acordo com o código de ética da classe de advogados e/ou de psicólogos, também respeitando o Provimento nº 94/2000 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e da RESOLUÇÃO CFP Nº 010/05 do Conselho Federal de Psicologia.

Parágrafo Único: O cadastro de PARCEIROS, conforme cláusula 1ª retro, não garante vínculo contratual de qualquer natureza com USUÁRIO(S), gerando tão somente expectativa de direito decorrente da inserção de seus dados pessoais e profissionais no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR na listagem de profissionais habilitados para consulta.

- Ao marcar a opção “Aceito e concordo com o TERMO DE USO deste site”, o PARCEIRO declara ter lido e aceito, sem reservas, todas as cláusulas e condições do presente.

Parágrafo Único: Fica, desde já, o PARCEIRO ciente de que, a qualquer momento, poderá vir a ser avaliado de acordo com o seu desempenho e atuação pelos USUÁRIOS que o tiverem contratado.

- A consulta à rede de PARCEIROS exibida em virtude da pesquisa realizada pelo USUÁRIO é resultado de inclusão de dados feita pelo PARCEIRO, portanto, reflete o aceite dos critérios estabelecidos pelo TECLE MULHER.

- É vedada a utilização do conteúdo do site, bem como a base de dados do mesmo por terceiros, PARA QUALQUER FIM DISTINTO DA LOCALIZAÇÃO DE ADVOGADOS E PISCÓLOGOS DE APOIO A REDE DE ATENDIMENTO À MULHER do SERVIÇO TECLE MULHER, sob a pena de violação de direitos autorais previstos nas Leis 9.609 e 9.610/98.

§1° - Inclui-se em atividade de fim diverso, a utilização dos dados cadastrados na base do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR para envio de malas diretas e e-mails com conteúdos diversos relacionados à pesquisa/solicitação de prestação de serviços jurídicos e/ou psicológicos.

§2° - Inclui-se no rol de violação de direitos autorais, ainda, a utilização dos dados contidos na base do site para composição de site concorrente, de banco de pesquisa de profissionais, os quais estarão sujeitos às penalidades legais.

- O site WWW.TECLEMULHER.COM.BR poderá conter “links” para demais sites operados por terceiros (exemplo: propagandas, promoções, cursos, eventos e etc.), de modo que a opção pelo acesso aos mencionados sites é de livre arbítrio dos USUÁRIOS e PARCEIROS, não tendo o TECLE MULHER nenhum controle sobre estes sites, não se responsabilizando, pois, pelo conteúdo dos mesmos.

- O TECLE MULHER atua como veiculador dos dados dos PARCEIROS que são advogados e sociedades de advogados e/ou psicólogos, não recebendo qualquer comissão por qualquer contratação que venha a ocorrer entre USUÁRIO e PARCEIRO.

- As negociações feitas diretamente entre as partes - USUÁRIO e PARCEIRO - não serão intervencionadas pelo TECLE MULHER. O WWW.TECLEMULHER.COM.BR não realiza conferência de nenhum dos dados inseridos pelos PARCEIROS a fim de constatar a sua veracidade, cabendo, tal conferência, única e exclusivamente ao USUÁRIO que desejar usufruir dos serviços de quaisquer dos prestadores de serviços cadastrados no banco de dados do TECLE MULHER.

10 - Ao TECLE MULHER não será imputada qualquer responsabilidade pelas consequências originadas em virtude de atos ou omissões praticados por seus USUÁRIOS/PARCEIROS.

Parágrafo Único: Ao concluir o processo de cadastro na base de dados do TECLE MULHER o PARCEIRO declara ter plena ciência de que passará a receber contatos por meio de suas formas de comunicação publicadas no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

11 - O PARCEIRO compromete-se a manter seus dados atualizados e, do mesmo modo, ao realizar o cadastro na base de dados do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, compromete-se a disponibilizar tão somente dados verídicos acerca de sua pessoa ou sociedade, incluindo-se, neste tópico, a necessidade de informar o seu nome VERÍDICO, seja ele relativo à pessoa física (advogado/psicólogo) ou pessoa jurídica (sociedade de advogados). Obriga-se, ainda, o PARCEIRO, no caso de se tratar de advogados ou sociedade de advogados e/ou psicólogos a informar o número de seu registro junto à Ordem dos Advogados de sua Região e/ou Conselho Regional de Psicologia.

§ 1º - É vedado ao PARCEIRO cadastrar-se mais de uma vez na base de dados do TECLE MULHER, sendo permitido cadastro múltiplo apenas quando for o caso de o PARCEIRO prestar serviços em diferentes cidades e, em virtude do número de cidades de atendimento mostrar-se necessária a criação de mais de um cadastro. Na hipótese de duplicidade de cadastro por engano/erro material do PARCEIRO, deverá este último entrar em contato imediato com o teclemulher@teclemulher.com.br a fim de informar acerca do ocorrido e requerer a exclusão do cadastro duplicado.

§ 2º - Caso não haja qualquer tipo de comunicação FORMAL por parte do PARCEIRO, acerca de duplicidade de cadastro por engano, fica resguardado ao TECLE MULHER o direito de excluir imediatamente de sua base de dados, todos os dados do PARCEIRO que infringir esta regra.

12 - Os cadastros efetuados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR serão realizados através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição por meio do serviço PagSeguro ao TECLE MULHER. Ressalte-se, no entanto, que antes de efetuar qualquer tipo de contribuição, compromete-se o PARCEIRO a responder um questionário a fim de demonstrar seu interesse da inserção dos seus dados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR e, consequentemente, escolher um plano de assinatura e concordar com a contribuição solicitada.

13 - A contribuição realizada pelo PARCEIRO terá validade de 03 (três), 06 (seis) ou 12 (doze) meses, de acordo com o plano por ele escolhido, sendo tal disponibilização realizada a partir da efetiva confirmação de pagamento da mesma, a qual será determinada de acordo com a opção de pagamento por meio do serviço PagSeguro.

14 - Os valores das contribuições estão disponíveis no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, na aba “Parceiros” sendo de R$ 29,90 (por três meses); 49,90 (por seis meses) e R$ 99,90 (por doze meses).

15 - Em caso da suspensão da contribuição, os dados do PARCEIRO não aparecerão mais no site do TECLE MULHER.

16 - Após realizada a seleção do plano (trimestral, semestral ou anual), bem como efetivamente concluída a contribuição, caso o PARCEIRO deseje proceder ao cancelamento, deverá entrar em contato com o TECLE MULHER através do e-mail teclemulher@teclemulher.com.br.

17 - Este Termo de Uso e a sua Aceitação, que lhe é parte integrante, constituem o entendimento total entre o TECLE MULHER e o PARCEIRO, sendo que a concordância através do clique no campo “Aceito e concordo com os termos de uso deste site” é considerada, para todos os fins de direito, como aceitação pelo PARCEIRO de todos os termos e condições do presente Termo de Uso, passando o mesmo a determinar as regras da relação entre as Partes. O PARCEIRO declara ter lido, estar ciente e de pleno acordo com todos os termos e condições deste Termo de Uso.

18 - Na hipótese de reclamação ou ação administrativa/judicial em face de qualquer um dos PARCEIROS, considera- se parte totalmente ilegítima para responder/figurar no polo passivo o TECLE MULHER devendo ser eximido de toda responsabilidade, o mesmo se aplicando a seus funcionários, agentes, representantes e procuradores.

19 - Fica eleito o foro do Rio de Janeiro para dirimir quaisquer dúvidas e pendências decorrentes deste Termo de Uso.

Por estarem justos e contratados,