NOTÍCIAS

Sessenta mil mulheres nas ruas

Fonte: Carta Maior Marta Dillon, direto de Mar del Plata-
O Encontro Nacional de Mulheres se encerrou ontem em Mar del Plata com uma marcha de 60 mil mulheres, que vieram de toda a Argentina.
Sessenta mil mulheres nas ruas
Encontro Nacional de Mulheres Argentinas
Compartilhe:  Facebook Twitter

Para suportar o luto, foram à luta. Com a memória imediata de dois feminicídios ocorridos nos últimos dois dias, uma ativista atacada por um grupo de skinheads e a denúncia de um estupro sofrido por uma das participantes, enquanto dormia em um campus universitário, as milhares que foram à cidade de Mar del Plata realizaram a maior marcha de mulheres da história da cidade, com a mesma convicção, expressada de diferentes formas, a partir de distintos imaginários, que confluem na mesma consigna: “BASTA!”. A cidade sentiu a ira que nasceu quando a multidão de mulheres foi às ruas mesmo sem ter autorização, enquanto a polícia mostrava seus movimentos de patrões da via pública, intimidando as manifestantes que tinham os corpos pintados, tolhendo a criatividade dos cantos, o som dos tambores, a admirável organização das mulheres, sua persistência. Ontem à noite, foi impossível ignorar as 60 mil mulheres de toda a Argentina, unidas para pensar sobre sua luta e buscar uma maneira de construir alternativas para assegurar seus direitos e sua autonomia. E o contraste entre esse entusiasmo e a violência vista em diferentes episódios de repressão que os soldados impuseram como forma de retaliação mostra um pouco os ares da época em que vivemos, as tensões que se produzem num sistema patriarcal que se torna invisível quando suas mazelas são naturalizadas, quando se insiste na ideia de que há lugares pré-determinados para meninos e meninas – e o que foge dessa regra é considerada uma deformação que não necessariamente deve ser tolerada –, que as pessoas vulneráveis precisam imaginar em conjunto suas próprias respostas, desejos, limites. As dezenas de milhares de participantes do XXX Encontro Nacional de Mulheres marcharam na noite deste domingo, para dizer “NÃO”. Não à violência machista, não à alienação dos corpos negando o direito a decidir sobre eles, não às iniquidades que suprimem os direitos das mulheres. E também para dizer sim às suas próprias decisões livres e autônomas. Não passaram desapercebidas, o coração de Mar del Plata foi preenchido pelas colunas que marcharam juntas até chegar ao centro, e que logo se espalharam pelas vielas mais estreitas. Algumas chegaram até a mítica Praia Bristol, outras foram até a Catedral, onde estavam as cruzes dos militantes católicos, que saíram dali como vândalos, para atacar as ativistas, num conflito que terminou com a detenção de uma manifestante dentro do templo, gases lacrimogêneos e balas de borracha que impactaram em alguns corpos. Algo completamente inédito nos Encontros de Mulheres, onde sempre se sentiu a resistência conservadora, mas nunca na forma de violência institucional, como desta vez.

O XXX Encontro Nacional de Mulheres (ENM) termina hoje, depois de dois dias intensos de debates, em 65 painéis de discussão, que abordaram quase todos os temas ligados à vida das mulheres, heterossexuais, lésbicas e trans, além de outras atividades paralelas que tiveram seu epicentro na Praça Mitre, e que congregaram as milhares de mulheres que foram conhecer mais sobre as lutas de feministas de toda a América Latina, trocar experiências sobre suas trajetórias na organização feminista popular, ou simplesmente para escutar as histórias de uma combatente do exército curdo que luta contra o Estado Islâmico, mas também “contra a nossa própria formação patriarcal, contra nossas próprias práticas viciadas”, como eu disse, enquanto era traduzida em simultâneo numa rádio aberta que promoveu uma dezena de programas feministas, emitidos por vários meios alternativos. Mas esse panorama se tornou mais obscuro quando a repressão tomou conta das ruas em frente à porta da Catedral, lugar emblemático de cada cidade onde o Encontro de Mulheres se reúne, onde as participantes manifestam sua desconformidade com o modo pelo qual a Igreja Católica pretende condicionar a vida de todas com seu dogma. Ao menos cinco mulheres jovens foram arrastradas pela polícia para dentro do templo católico e lá ficaram retidas. Outras das manifestantes mostraram os impactos de balas de borracha em diferentes partes do corpo – uma delas foi a jornalista do caderno “Soy”, do diário Página/12, outra com uma ferida no rosto, próxima aos olhos. Nos trinta anos de Encontros de Mulheres, nunca se havia visto disparos contra as manifestantes, apesar da tradição do encerramento do evento em frente a catedral da cidade-sede. E nunca havia acontecido, como agora, a detenção de um grupo de mulheres dentro de uma igreja, algo que se parece mais com uma forma de prisão ilegal e abuso de autoridade do que com a intenção de dispersar uma manifestação.

Como se os dois feminicídios que se aconteceram enquanto as dezenas de milhares de mulheres de todo o país debatiam sobre suas trajetórias, suas resistências, alianças e vulnerabilidades não tivessem sido violência suficiente, como se não fosse possível entender de que modo a consigna “Nenhuma Menos” é atualizada a cada dia, apesar da impotência de saber que a contagem de vítimas não termina nunca, o clima supostamente feliz na cidade passou a ser hostil durante todo o fim de semana, especialmente contra as que foram ao Encontro. Os murais pintados para saudar estas três décadas de Encontros foram cobertos de provocações fascistas, alguns homens contrariados se meteram na marcha, dispostos a criar confusão e até mesmo a agredir, verbal ou fisicamente, as mulheres que pintavam os corpos nas calçadas. Durante a tarde, um desses grupos machistas atacou as ativistas do grupo Socorristas em Rede – uma organização que presta assistência às mulheres que necessitam abortar e não conseguem ajuda nos hospitais públicos – com socos e bastões de madeiras, num local próximo à praça. Também foi registrada uma denúncia de uma mulher, que teria sido estuprada durante a noite de sábado, embora os detalhes dessa informação não tenham sido checados, apenas se sabe que a mulher foi internada no hospital local.

A marcha durou cerca de três horas e encheu a cidade de bandeiras e cantos antipatriarcais: “apesar de tudo, fizemos o Encontro”. Porque as mulheres estão empoderadas, porque sabem que o corpo que vai às ruas faz a diferença e que existe um capital político que ganhou força desde o dia 3 de junho (quando se realizou a primeira manifestação multitudinária do movimento “Nenhuma Menos”) que é necessário capitalizar. Por isso, a consigna a favor do direito ao aborto ataca a criminalização e a clandestinidade como uma forma de violência contra as mulheres, e que, assim como os feminicídios, pode terminar em morte, sobretudo no caso das mulheres pobres. Dessa forma, as lutas se renovam, se potenciam e convergem num único grito de guerra: “BASTA!”. A este “BASTA!” também se referem aos elementos de coerção que, como acontece com todo sistema de dominação, permitem a subsistência da violência machista que sustenta o patriarcado.

Apesar de tudo isso, o ENM saiu fortalecido. Nunca, como antes houve tantas mulheres que vieram a se encontrar com outras. Hoje, além da conclusão dos distintos debates, também será designada a próxima sede. Também será divulgada a esperada declaração contra a repressão sofrida na noite de ontem, que teve como testemunha privilegiada, junto com os grupos católicos reunidos na catedral, o dirigente político Carlos Pampillón, líder de ultradireita que possui fortes vínculos com Carlos Arroyo, o candidato que venceu as primárias regionais em Mar del Plata, e que pertence à coligação Cambiemos (Mudemos), a mesma do presidenciável da direita argentina, Mauricio Macri.

Tradução: Victor Farinell

Fechar

TERMO DE USO

Tecle Mulher – Assessoria e Pesquisa no âmbito dos Direitos da Mulher

Pelo presente instrumento particular, de um lado, TECLE MULHER - ASSESSORIA E PESQUISA NO ÂMBITO DOS DIREITOS DA MULHER, doravante denominada TECLE MULHER, estabelecida na Avenida Alberto Braune, nº 24, sala 506, Centro, Nova Friburgo, RJ, e de outro, o PARCEIRO cadastrado no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, firmam TERMO DE USO conforme as cláusulas e condições:

TERMOS DE USO

- Trata-se de cadastro de advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que atuam no âmbito dos Direitos da Mulher, de forma autônoma em todo o Brasil, no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

§1° - As consultas realizadas pelos(as) USUÁRIOS(AS) junto ao site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, com o intuito de localizar advogados e/ou psicólogos de apoio, no território nacional, em seu banco de dados, são gratuitas.

§2° - A inclusão e manutenção de dados pessoais e profissionais de advogados, sociedades de advogados e/ou psicólogos parceiros será realizada através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição, a critério do TECLE MULHER. Os valores dessa contribuição estão definidos em ASSINATURA, dentro do preenchimento do cadastro.

- Compreende-se por USUÁRIO(A), todo(a) aquele(a) que acessar o site em busca de apoio psicológico, orientação jurídica e encaminhamento para:
  • a)    Serviços públicos de Segurança, Justiça e Saúde.
  • b)    Parceiros: psicólogos(as) e/ou advogados(as) ou sociedade de advogados autônomos.

- Compreende-se por PARCEIROS(AS), advogados ou sociedades de advogados e/ou psicólogos que veiculam seus dados pessoais e profissionais de acordo com o código de ética da classe de advogados e/ou de psicólogos, também respeitando o Provimento nº 94/2000 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e da RESOLUÇÃO CFP Nº 010/05 do Conselho Federal de Psicologia.

Parágrafo Único: O cadastro de PARCEIROS, conforme cláusula 1ª retro, não garante vínculo contratual de qualquer natureza com USUÁRIO(S), gerando tão somente expectativa de direito decorrente da inserção de seus dados pessoais e profissionais no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR na listagem de profissionais habilitados para consulta.

- Ao marcar a opção “Aceito e concordo com o TERMO DE USO deste site”, o PARCEIRO declara ter lido e aceito, sem reservas, todas as cláusulas e condições do presente.

Parágrafo Único: Fica, desde já, o PARCEIRO ciente de que, a qualquer momento, poderá vir a ser avaliado de acordo com o seu desempenho e atuação pelos USUÁRIOS que o tiverem contratado.

- A consulta à rede de PARCEIROS exibida em virtude da pesquisa realizada pelo USUÁRIO é resultado de inclusão de dados feita pelo PARCEIRO, portanto, reflete o aceite dos critérios estabelecidos pelo TECLE MULHER.

- É vedada a utilização do conteúdo do site, bem como a base de dados do mesmo por terceiros, PARA QUALQUER FIM DISTINTO DA LOCALIZAÇÃO DE ADVOGADOS E PISCÓLOGOS DE APOIO A REDE DE ATENDIMENTO À MULHER do SERVIÇO TECLE MULHER, sob a pena de violação de direitos autorais previstos nas Leis 9.609 e 9.610/98.

§1° - Inclui-se em atividade de fim diverso, a utilização dos dados cadastrados na base do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR para envio de malas diretas e e-mails com conteúdos diversos relacionados à pesquisa/solicitação de prestação de serviços jurídicos e/ou psicológicos.

§2° - Inclui-se no rol de violação de direitos autorais, ainda, a utilização dos dados contidos na base do site para composição de site concorrente, de banco de pesquisa de profissionais, os quais estarão sujeitos às penalidades legais.

- O site WWW.TECLEMULHER.COM.BR poderá conter “links” para demais sites operados por terceiros (exemplo: propagandas, promoções, cursos, eventos e etc.), de modo que a opção pelo acesso aos mencionados sites é de livre arbítrio dos USUÁRIOS e PARCEIROS, não tendo o TECLE MULHER nenhum controle sobre estes sites, não se responsabilizando, pois, pelo conteúdo dos mesmos.

- O TECLE MULHER atua como veiculador dos dados dos PARCEIROS que são advogados e sociedades de advogados e/ou psicólogos, não recebendo qualquer comissão por qualquer contratação que venha a ocorrer entre USUÁRIO e PARCEIRO.

- As negociações feitas diretamente entre as partes - USUÁRIO e PARCEIRO - não serão intervencionadas pelo TECLE MULHER. O WWW.TECLEMULHER.COM.BR não realiza conferência de nenhum dos dados inseridos pelos PARCEIROS a fim de constatar a sua veracidade, cabendo, tal conferência, única e exclusivamente ao USUÁRIO que desejar usufruir dos serviços de quaisquer dos prestadores de serviços cadastrados no banco de dados do TECLE MULHER.

10 - Ao TECLE MULHER não será imputada qualquer responsabilidade pelas consequências originadas em virtude de atos ou omissões praticados por seus USUÁRIOS/PARCEIROS.

Parágrafo Único: Ao concluir o processo de cadastro na base de dados do TECLE MULHER o PARCEIRO declara ter plena ciência de que passará a receber contatos por meio de suas formas de comunicação publicadas no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR.

11 - O PARCEIRO compromete-se a manter seus dados atualizados e, do mesmo modo, ao realizar o cadastro na base de dados do site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, compromete-se a disponibilizar tão somente dados verídicos acerca de sua pessoa ou sociedade, incluindo-se, neste tópico, a necessidade de informar o seu nome VERÍDICO, seja ele relativo à pessoa física (advogado/psicólogo) ou pessoa jurídica (sociedade de advogados). Obriga-se, ainda, o PARCEIRO, no caso de se tratar de advogados ou sociedade de advogados e/ou psicólogos a informar o número de seu registro junto à Ordem dos Advogados de sua Região e/ou Conselho Regional de Psicologia.

§ 1º - É vedado ao PARCEIRO cadastrar-se mais de uma vez na base de dados do TECLE MULHER, sendo permitido cadastro múltiplo apenas quando for o caso de o PARCEIRO prestar serviços em diferentes cidades e, em virtude do número de cidades de atendimento mostrar-se necessária a criação de mais de um cadastro. Na hipótese de duplicidade de cadastro por engano/erro material do PARCEIRO, deverá este último entrar em contato imediato com o teclemulher@teclemulher.com.br a fim de informar acerca do ocorrido e requerer a exclusão do cadastro duplicado.

§ 2º - Caso não haja qualquer tipo de comunicação FORMAL por parte do PARCEIRO, acerca de duplicidade de cadastro por engano, fica resguardado ao TECLE MULHER o direito de excluir imediatamente de sua base de dados, todos os dados do PARCEIRO que infringir esta regra.

12 - Os cadastros efetuados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR serão realizados através de uma contribuição para fins de sustentabilidade da Instituição por meio do serviço PagSeguro ao TECLE MULHER. Ressalte-se, no entanto, que antes de efetuar qualquer tipo de contribuição, compromete-se o PARCEIRO a responder um questionário a fim de demonstrar seu interesse da inserção dos seus dados no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR e, consequentemente, escolher um plano de assinatura e concordar com a contribuição solicitada.

13 - A contribuição realizada pelo PARCEIRO terá validade de 03 (três), 06 (seis) ou 12 (doze) meses, de acordo com o plano por ele escolhido, sendo tal disponibilização realizada a partir da efetiva confirmação de pagamento da mesma, a qual será determinada de acordo com a opção de pagamento por meio do serviço PagSeguro.

14 - Os valores das contribuições estão disponíveis no site WWW.TECLEMULHER.COM.BR, na aba “Parceiros” sendo de R$ 29,90 (por três meses); 49,90 (por seis meses) e R$ 99,90 (por doze meses).

15 - Em caso da suspensão da contribuição, os dados do PARCEIRO não aparecerão mais no site do TECLE MULHER.

16 - Após realizada a seleção do plano (trimestral, semestral ou anual), bem como efetivamente concluída a contribuição, caso o PARCEIRO deseje proceder ao cancelamento, deverá entrar em contato com o TECLE MULHER através do e-mail teclemulher@teclemulher.com.br.

17 - Este Termo de Uso e a sua Aceitação, que lhe é parte integrante, constituem o entendimento total entre o TECLE MULHER e o PARCEIRO, sendo que a concordância através do clique no campo “Aceito e concordo com os termos de uso deste site” é considerada, para todos os fins de direito, como aceitação pelo PARCEIRO de todos os termos e condições do presente Termo de Uso, passando o mesmo a determinar as regras da relação entre as Partes. O PARCEIRO declara ter lido, estar ciente e de pleno acordo com todos os termos e condições deste Termo de Uso.

18 - Na hipótese de reclamação ou ação administrativa/judicial em face de qualquer um dos PARCEIROS, considera- se parte totalmente ilegítima para responder/figurar no polo passivo o TECLE MULHER devendo ser eximido de toda responsabilidade, o mesmo se aplicando a seus funcionários, agentes, representantes e procuradores.

19 - Fica eleito o foro do Rio de Janeiro para dirimir quaisquer dúvidas e pendências decorrentes deste Termo de Uso.

Por estarem justos e contratados,